Catálogo
Voltar atrás
-40%

A Bomba Vol. I | A história da bomba atómica

No princípio era o nada

 

40% de desconto de 01/07/2024 a 31/07/2024

Alcante , Laurent-Frédéric Bollée , Denis Rodier

  • Edição Junho 2022
  • Colecção Gradiva BD, Livros acabados de sair de LEI DO PREÇO FIXO
  • ISBN 978-989-785-150-6
  • Páginas 216
  • Capa Brochada/capa mole
  • Dimensões 21 x 28,5 cm
€18,00 €10,80

Prix BD Fnac France Inter 2021

Prémio Cases d’Histoire 2020

Prémio ACBD de la bande dessinée québécoise 2020

Grande Prémio Galons de la BD 2021, organisé par le Ministère des Armées  

Prémio Cognito 2021 de la BD historique

Veja aqui o vídeo.



Como um Guerra e Paz da BD!

No dia 6 de agosto de 1945, Hiroxima desaparece pulverizada por uma bomba atómica. Um acontecimento histórico e trágico que põe fim à guerra e leva a humanidade a entrar numa nova era. Em que contexto foi criada a bomba? Como foi tomada a decisão de a lançar? E porquê sobre Hiroxima?  

Quais foram os principais actores – ilustres ou desconhecidos – desta tragédia.  Quais foram as consequências da explosão? O que sofreram as vítimas? Com a leitura desta obra, o leitor assiste a tudo! Das minas de urânio do Katanga até ao Japão, passando pela Alemanha, a Inglaterra, a Noruega, a URSS e os Estados Unidos; dos laboratórios de Los Alamos aos bombardeiros do Pacífico, eis… A TERRÍVEL VERDADEIRA HISTÓRIA DA BOMBA ATÓMICA!  Hoje ainda mais arrepiante.  Que alguns parece quererem continuar a escrever…  

Do Posfácio: «Contada com um rigor histórico e científico em que nos empenhámos totalmente.  A única excepção nesta obra à autenticidade histórica são os personagens de Naoki Morimoto, a família e a menina, que saíram da nossa imaginação. Foram construídos para representarem aos nossos olhos a população japonesa, vítima inocente, da época. São os nossos Japoneses Desconhecidos, para retomar a famosa imagem do Soldado Desconhecido.” 

Saberá o leitor, que por um estranho fenómeno químico-físico, no momento da explosão a sombra de um homem ficou gravada para sempre num degrau da escadaria do Banco Sumitomo.