Catálogo
Voltar atrás
Novidade
-10%

DE MARCELO A MARCELO - Caminho de Pedras Soltas

Joaquim Silva Pinto

  • Edição Janeiro 2017
  • Colecção Fora de Colecção
  • ISBN 978-989-616-779-0
  • Páginas 160
  • Dimensões 0 x 0
€14,00 €12,60

Joaquim Silva Pinto - Memórias incríveis da ditadura e democracia

Ministro da ditadura antes do 25 de Abril e indefectível apoiante de Mário Soares depois, conta-nos histórias por dentro de dois regimes: o plano de Marcelo Caetano para a descolonização e o golpe que Spínola e Costa Gomes lhe propuseram. O olheiro de Sá Carneiro. A origem da frase de Mário Soares: “republicano, socialista e laico”. E o escândalo provocado por Marcelo Rebelo de Sousa na sala VIP do Aeroporto de Lisboa...

Leia aqui os excertos mais marcantes da recente entrevista do autor à revista Visão (21 de Março 2019).


Os livros de Joaquim Silva Pinto são um contributo precioso e frequentemente surpreendente para a história dos últimos anos de Salazar, do período marcelista, em que foi uma das personalidades mais activas da ala liberal, e do pós 25 de Abril, em que integrou o MASP, sendo um colaborador próximo de Mário Soares.

A qualidade intelectual que é unanimemente reconhecida ao Autor, a rara possibilidade que teve de uma visão de conjunto que lhe permitiu privilegiadamente identificar os contrastes, a vivência pessoal singular, a coragem desassombrada e a narração incisiva e colorida tornam a leitura dos seus livros um raro e enriquecedor prazer intelectual.

Populismo à portuguesa, «evoluçãozinha» na continuidade, figuras públicas entre afectos e carências, diáspora portuguesa em Madrid de 75 a 78, episódios quase desconhecidos das circunstâncias da iniciativa de edificação da ponte sobre o Tejo e da reeleição de Américo Tomás, apontamento sobre preconceitos antes e depois da Revolução de Abril, atribulado processo de sucessão – destino das condecorações e uma polémica dedicatória a José Veiga Simão são alguns dos episódios contados ou tratados no livro.

Factos dramáticos ou divertidos, observações irónicas, inquietações. Sempre com o objectivo de fazer reflectir sobre o passado, mas também sobre o futuro pró­ximo, que o Autor, informadamente, pensa vir aí.