Newsletter
Receba as nossas novidades na sua caixa de correio.


Segunda, 29 de Novembro de 2010
URBANO TAVARES RODRIGUES - "O Anjo Branco é um belo, profundo e inteligente romance."

 

URBANO TAVARES RODRIGUES  acerca de O Anjo Branco

"Foi para mim uma surpreendente e gratificante revelação este belo, profundo e inteligente romance, que denuncia os crimes da PIDE e do exército colonial português em Moçambique.

Para tal concorreu o facto de o pai de José Rodrigues dos Santos ter sido médico em Moçambique e vivido algumas das situações romanceadas em O Anjo Branco. O médico José Branco pilotava um avião e descia dos céus para socorrer criaturas em perigo, fosse qual fosse a cor da sua pele, soldados ou turras, seres humanos. E assim testemunhou o horror dos massacres de Wiriamu, viu os corpos calcinados e ainda salvou da morte uma mulher muito queimada e o filhinho que ela protegia.

Chamado à PIDE e aconselhado a guardar sigilo, declara não abdicar do seu dever de dar ao mundo testemunho daquele crime horrível.

Lourenço Marques era um meio pequeno. O Anjo Branco já tratara de doenças os próprios ‘pides’. O chefe revela-lhe que até a sua vida erótica era espionada, pois se tornara amante de uma médica rodesiana, que prestava informação à PIDE.

A sua obstinação leva-o ao cárcere, mas não é torturado.

Consegue mesmo assim, através de um oficial amigo que o visitou, enviar a sua confirmação da monstruosa chacina aos padres espanhóis que já andam na pista dos massacres.

As suas reflexões sobre a vida e a morte, o bem e o mal são de uma grande riqueza e profundidade. Este livro denso e por vezes cruel, mas também com humor (vide a infância de José Branco e os seus atributos sexuais, a visita à Exposição do Mundo Português e a visão do Rossio, das foragidas ao nazismo, observadas pelos basbaques lusitanos).

José Rodrigues dos Santos afirma neste livro qualidades de grande escritor.

A sua prosa, que desta vez não apresenta metáforas de mau gosto, é fluida e impressiva, com pequenas imperfeições, porventura devidas à paixão e rapidez com que decerto escreveu, mas são insignificâncias que uma boa revisão facilmente poderá limpar noutra edição.

O essencial é a grande afirmação de talento e de honestidade, que aliás José Rodrigues dos Santos já tem evidenciado em diversas reportagens, até em teatros de guerra e em condições melindrosas.

Urbano Tavares Rodrigues