Newsletter
Receba as nossas novidades na sua caixa de correio.


Descarregue aqui o catálogo da editora em formato pdf.
50%
Ser Jornalista em Portugal
Perfis sociológicos
Autor: José Rebelo
Colecção: Fora de Colecção

Páginas: 928
Ano de edição: 2011
ISBN: 978-989-616-434-8
Capa: Brochado (capa mole)
25 €
12,50 €

Quantidade:
Sinopse

O jornalismo português foi palco, durante o último quarto de século, de profundas transformações das quais avultam uma acentuada feminização e uma considerável elevação do nível de habilitações académicas. A uma primeira fase de expansão, traduzida pela escalada do número de jornalistas, seguiu-se uma fase de estagnação e de recessão marcada pela diminuição do emprego e pela instabilidade das relações de trabalho. Assiste-se, então, à crescente exploração do estagiário, a quem se acena com a promessa, mais ou menos remota, de uma integração nos quadros da empresa e à multiplicação de contratos a título precário.


Mas quem são, afinal, estes jornalistas? Seguindo uma metodologia aplicada em França por um grupo de sociólogos dirigido por Pierre Bourdieu, entrevistaram-se 47 profissionais da comunicação social, escolhidos em função de perfis-tipo previamente traçados. Célebres, uns. Anónimos, outros. Recolheram-se, assim, histórias de vida narradas na primeira pessoa: imagens guardadas da época em que os entrevistados encetaram a sua actividade profissional; referências, crenças, opiniões, modelos de comportamento. Abordaram-se questões como: Qual a origem social dos jornalistas portugueses? Quais as estratégias de promoção social que desenham, num mercado particularmente saturado? Como visualizam a sua profissão? E o futuro desta? Como gerem as relações hierárquicas no interior das empresas onde trabalham? E as relações com os «colegas de ofício»? Que normas, ético-deontológicas, perfilham? Como se posicionam face à política? E face à religião?


O jornalista não existe: existem jornalistas – na sua diversidade, com as suas contradições, os seus conflitos, as suas aspirações, as suas desilusões. Ser Jornalista em Portugal restitui-nos essa realidade multifacetada de uma profissão tão admirada quanto zurzida.



Autor(es)
Doutorado e Agregado em Sociologia, área da Comunicação e Cultura, José Rebelo é director do Curso Doutoral em Ciências da Comunicação do ISCTE-IUL. Coordenou diversas investigações no campo dos media, nomeadamente «Perfil Sociológico dos Jornalistas Portugueses» e «Representações Sociais e Profissionais dos Jovens Jornalistas em Portugal», apoiadas pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia(FCT), «Estudo e Recepção dos Meios de Comunicação Social» e «Privacidade,Intimidade e Violência na Imprensa», encomendadas pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC). Efectuou mais de uma centena de comunicações em Colóquios e Congressos realizados em Portugal e no estrangeiro.

Da sua bibliografia,que inclui numerosos artigos da especialidade publicados em revistas científicas,destaque para os livros de que é autor: Formas de Legitimação do Poder no Salazarismo, Livros & Leituras, Lisboa, 1998; A Comunicação: Temas e Argumentos, Minerva Coimbra, Coimbra, 2003; O Discurso do Jornal, Noticias Editorial, Lisboa, 2000 (2ª edição em 2002). Jornalista do Le Monde e correspondente deste jornal em Portugal, de 1975 a 1991, é director de Trajectos, revista de comunicação, cultura e educação e membro da Conselho de Opinião da RTP, eleito pela Assembleia da República. É comendador da Ordem da Liberdade.