Newsletter
Receba as nossas novidades na sua caixa de correio.


Descarregue aqui o catálogo da editora em formato pdf.
10%
Ao Redor dos Muros
Colecção: Gradiva

Páginas: 144
Ano de edição: 2010
ISBN: 978-989-616-358-7
12,11 €
10,90 €

Quantidade:
Sinopse
PRÉMIO ALVES REDOL 2009
 
«Ao Redor dos Muros é um caso muito sério. (…) É um romance de alguém que vai fazer história na Literatura Portuguesa e já começou. Não estarei para receber a confirmação das minhas palavras de hoje, mas sei que isso acontecerá. António Canteiro tem uma vocação rara de escritor. É sua uma escrita rica de humanidade, de invenção vocabular que surpreende página a página, como surpreendeu no seu estilo um Aquilino, como nos surpreende hoje um Mia Couto. A força de amor (contido e profundo) com que acompanha a personagem até à morte, a compreensão com o entendimento de rara ternura, a ausência de qualquer julgar ou perdoar, são notáveis. Houve páginas, muitas, que me comoveram. Sabe tão bem olhar, sentir sem adjectivação fácil, inútil. Uma contenção justíssima, inteligente, com subtil riqueza poética.»
 
Matilde Rosa Araújo
 
«Ao Redor dos Muros é um caso muito sério. […] É um romance de alguém que vai fazer história na Literatura Portuguesa e já começou. […] António Canteiro tem uma vocação rara de escritor. É sua, uma escrita rica de humanidade, de invenção vocabular que surpreende página a página, como surpreendeu no seu estilo um Aquilino, como nos surpreende hoje Mia Couto. […] Houve páginas, muitas, que me comoveram. Sabe tão bem olhar, sentir sem adjectivação fácil, inútil. Uma contenção justíssima, inteligente, com subtil riqueza poética.»
 

Matilde Rosa Araújo

(Escritora)
 
«António Canteiro pega nas personagens e leva-as ao colo, com muito carinho e muita ternura, como que a impedir que elas se magoem.»
 

Edite Tavares Garrido

(Professora)
 

«Em Ao Redor dos Muros o à-vontade com que António Canteiro fala do Constâncio […] consegue momentos de grande impacto poético e mantém [a personagem] a rasar entre a inocência e a força. Somos constantemente remetidos para um título do género de Constantino, Guardador de Vacas e de Sonhos, curiosamente, do patrono que lhe reconheceu o mérito de 1.º Prémio.»

 
Dora Parada
(Adjunta na Direcção da Cadeia de Aveiro)
 
«O prémio literário Alves Redol 2009, atribuído a Ao Redor do Muros, justifica-se pela notável capacidade de articulação da língua portuguesa com o linguajar cigano no interior de uma construção romanesca simultaneamente inventiva e documental. É um romance muito agradável de ler, escrito simultaneamente com elegância e sentido de propriedade quanto à presença literária de diferentes códigos linguísticos. Finalmente, este romance é também um documento do nosso tempo, afirmando a diferença social da sua temática, numa altura em que a experiência da interculturalidade surge como instrumento de diálogo e tolerância.»
 

Júri do Prémio Alves Redol 2009

(Vitor Agostinho Figueiredo, Manuel Amador Frias Martins e Miguel Real)

Autor(es)
ANTÓNIO CANTEIRO, pseudónimo de João Carlos Costa da Cruz, nasceu em 1964, em S. Caetano. Vive atualmente em Barracão, Febres. Conta com as seguintes obras publicadas:

Parede de Adobo (CSPSC), romance de estreia que recebeu Menção Honrosa do Prémio Literário Carlos de Oliveira),em 2005;

Ao Redor dos Muros (Gradiva), romance que venceu o Prémio Literário Alves Redol, em 2009;

Largo da Capella (Gradiva), romance que obteve a Menção Honrosa do Prémio Literário João Gaspar Simões, em 2011;

O Silêncio Solar das Manhãs
(Gradiva) venceu o Prémio Nacional de Poesia Sebastião da Gama, em 2013;

Logo À Tarde Vai Estar Frio (Gradiva), romance galardoado com Menção Especial do Júri, no Prémio João José Cochofel/Casa da Escrita de Coimbra, e vencedor, em 2015, do Prémio Literário Maria Amália Vaz de Carvalho;

Na Luz das Janelas Pestanejam as Sombras
(Ed. LASA), livro de poesia que arrecadou o Prémio Bocage, em 2015;

A Luz Vem das Pedras, romance agora dado à estampa, que venceu em 2015 o Prémio Alves Redol.