Newsletter
Receba as nossas novidades na sua caixa de correio.


Descarregue aqui o catálogo da editora em formato pdf.
10%
Poções e Paixões
Química e Ópera
Colecção: Ciência Aberta

Páginas: 456
Ano de edição: 2018
ISBN: 978-989-616-811-7
Capa: Brochado (capa mole)
Dimensões: 13,5 x 21 cm
19 €
17,10 €

Quantidade:
Sinopse
O que há de comum entre a poção de amor de  Tristão e Isolda, os voos das bruxas em  vassouras, a morte do príncipe Hamlet, a mãe do imperador Nero, Marilyn Monroe e... o compositor Giacomo Puccini? Tendo a ópera como fio condutor, o leitor é conduzido nesta obra numa viagem ao extraordinário mundo das poções e das paixões,que a química pelo menos em parte explica.

Na química há um encontro de disciplinas: é a «ciência central» por se situar entre a matemática e a física, por um lado, e a biologia e a geologia, por outro, fornecendo contributos essenciais em ciências aplicadas como a medicina e as várias engenharias. Por seu lado, a ópera tem sido chamada «obra de arte total» por conjugar música, canto, teatro e artes plásticas.

João Paulo André, com incomparável mestria tanto na química como na ópera, brinda-nos neste livro com uma ligação profundamente original entre a ciência e a arte. Com ele percebemos que a química está em todo o lado, mesmo no amor, e que a ópera é um espectáculo que é muito mais rico do que «histórias em que o barítono ama a soprano, que ama o tenor».

Uma obra tanto para os apreciadores de ciência como para os apreciadores de arte, num inédito encontro de culturas.
Autor(es)
João Paulo André doutorou-se em Química na Universidade de Basileia e é Professor na Universidade do Minho. Tem mantido uma intensa actividade de divulgação da ciência.

Publicou mais de 40 artigos científicos e de divulgação, entre os quais uma análise da presença da química na obra de Eça de Queirós. O seu artigo «Opera and Poison: A Secret and Enjoyable Approach to Teaching and Learning Chemistry», publicado no Journal of Chemical Education em 2013, foi o mais lido desse ano e esteve na origem de uma série de entrevistas concedidas a meios de comunicação internacionais, como The Scientist (EUA), The Boston Globe (EUA), Ciência Hoje (Brasil), e Chemiextra (Suíça). É um apaixonado pela ópera.