Newsletter
Receba as nossas novidades na sua caixa de correio.


Descarregue aqui o catálogo da editora em formato pdf.
10%
Um Racismo Imaginário
Islamofobia e Culpabilidade
Colecção: Trajectos

Páginas: 200
Ano de edição: 2017
ISBN: 978-989-616-793-6
Capa: Brochado (capa mole)
Dimensões: 15,5 x 23 cm
14 €
12,60 €

Quantidade:
Sinopse
Existem demasiados racismos verdadeiros para nos pormos a inventar racismos imaginários.

Há trinta e cinco anos que o termo «islamofobia» aniquila qualquer opinião crítica acerca do islão. Ora, uma grande religião como o islão não é redutível a um povo, pois tem uma vocação universal. Poupá-la à prova de um exame, realizado desde há séculos ao cristianismo e ao judaísmo, é encerrá-la nas suas dificuldades actuais. E condenar para sempre os seus fiéis ao papel de vítimas, ilibados de toda a responsabilidade pelas violências cometidas em seu nome.

Desmontar esta impostura, reavaliar o que se chama «o regresso do religioso» e que é, ao invés, o regresso do fanatismo, celebrar a extraordinária liberdade que a democracia dá aos cidadãos, o direito de crer ou de não crer em Deus: estes são os objectivos do presente ensaio.
Autor(es)
Pascal Bruckner é filósofo e ensaísta francês, nascido em 1948. Analista de temas de impacto no quotidiano das sociedades, fez parte do chamado grupo dos «Novos Filósofos», juntamente com Alain Finkielkraut, Bernard-Henri Lévy e André Glucksmann, entre outros. Este grupo, «filhos de Maio de 1968», atacou o marxismo, o estruturalismo e os totalitarismos de esquerda e de direita num tempo em que as utopias revolucionárias ainda incendiavam a imaginação de estudantes e de intelectuais dispostos a mudar o mundo. Pascal Bruckner é autor, entre outros, dos livros La tentation de l’innocence (Prémio Médicis de Ensaio), Les voleus de beauté (Prémio Renaudot), Misère de la prosperité (Prémio de Melhor Livro de Economia e Prémio Aujourd’hui), Le fanatisme de l’Apocalypse (Prémio Risques). Tem obra traduzida em cerca de trinta países.