Newsletter
Receba as nossas novidades na sua caixa de correio.


Descarregue aqui o catálogo da editora em formato pdf.
10%
Negros Anos
Colecção: Gradiva

Páginas: 392
Ano de edição: 2012
ISBN: 978-989-616-474-4
Capa: Brochado (capa mole)
16 €
14,40 €

Quantidade:
Sinopse
Um romance sobre a força feminina num país de homens. Na história de Ye Lianzi, há uma resistência doce. [...] A História, mas também, ou talvez sobretudo, a pesquisa sobre a interioridade das personagens e, portanto, dos homens e das mulheres. Um mosaico de paixões.»

Paulo Mauri, La Repubblica

«Uma grande história, um romance épico de sublime feitura sobre os tormentosos acontecimentos da China do século passado […]. A escrita parece ter a intenção de procurar um equilíbrio ideal entre a sintética leveza da poesia e uma introspecção psicológica de moldes mais romanescos.»

Tommaso Pincio, Il Manifesto

«Um extraordinário fresco que percorre a história da China novecentista através de uma saga feminina.»

Brunella Schissa, Il Venerdì di Repubblica

A obra-prima da escritora que verteu numa epopeia sublime a história da China no século XX

Para atingir o seu objectivo de poder e impedir a modernização, o comunismo maoista violou os sentimentos mais sagrados, estruturantes, da cultura da China, lançando os filhos contra os pais, impondo a toda a sociedade uma violentíssima convulsão.

Estes são os negros anos descritos por Zhang Jie. Violência dilacerante cuja lembrança ainda hoje ensombra o coração da China, mas que não conseguiu desintegrar a textura intima da irredutível humanidade do povo chinês. «Um povo que, apesar dos mais inacreditáveis obstáculos, sempre conseguiu manter, mais duravelmente do que qualquer outro, o mais rico conjunto de valores humanos que se viram nesta nossa Terra» (Simon Leys).
Autor(es)
Zhang Jie nasceu em Pequim em 1937. Licenciada em Economia em 1960, foi funcionária pública até ser forçada ao desterro no campo, em 1969, em plena Revolução Cultural. Regressou a Pequim em 1972, onde ainda reside. É membro honorário da American Academy and Institute of Arts and Letters, e em 1989 ganhou o Prémio Literário Internacional Malaparte. Além do português, as suas obras encontram-se traduzidas em inglês, francês, alemão, russo, dinamarquês, norueguês, sueco, finlandês, flamengo e italiano. Negros Anos prossegue a narrativa iniciada com Não Há Palavras, igualmente editado em Portugal pela Gradiva, embora ambos os romances possam ser lidos autonomamente.