Newsletter
Receba as nossas novidades na sua caixa de correio.


Descarregue aqui o catálogo da editora em formato pdf.
10%
O Silêncio dos Livros
Seguido de Esse Vício Ainda Impune

Páginas: 72
Ano de edição: 2007
ISBN: 978-989-616-191-0
7,07 €
6,36 €

Quantidade:
Sinopse
Temos tendência para esquecer que os livros, eminentemente vulneráveis, podem ser suprimidos ou destruídos. Têm a sua história, como todas as outras produções humanas, uma história cujos primórdios contêm, em gérmen, a possibilidade, a eventualidade de um fim.

George Steiner sublinha assim a permanência incessantemente ameaçada e a fragilidade da escrita, interessando-se paradoxalmente por aqueles que quiseram - ou querem - o fim do livro. A sua abordagem entusiástica da leitura une-se aqui a uma crítica radical das novas formas de ilusão, de intolerância e de barbárie produzidas no seio de uma sociedade dita esclarecida.

Esta fragilidade, responde Michel Crépu, não nos remeterá para um sentido íntimo da finitude que nos é transmitido precisamente pela experiência da leitura? Esta estranha e doce tristeza que se encontra no âmago de todos os livros como uma luz de sombra.

A nossa época está prestes a esquecer-se disto. Nunca os verdadeiros livros foram tão silenciosos.
Autor(es)
George Steiner nasceu em Paris em 1929. Licenciou-se na Universidade de Chicago e completou o mestrado na Universidade de Harvard, onde foi galardoado com o Bell Prize in American Literature. Doutorou-se na Universidade de Oxford que lhe atribuiu a valiosa distinção - Chancellor's Essay Prize. Em 1944 adquire a nacionalidade americana, embora tenha vivido grande parte da sua vida na Europa. Foi membro da equipa editorial da revista Economist, trabalhou no Institute for Advanced Study na Universidade de Princeton, e leccionou em Cambridge, Stanford, Yale, Genebra e na Austria. Publica artigos em jornais e revistas como a New Yorker e o Times Literary Suplement. É autor de uma obra diversificada, que inclui ficção e ensaio.
Aquando da sua recomendação para Norton Professor (um dos leitorados mais ilustres dos EUA), o júri de Harvard afirmou: "Com a sua notável fluência em diversas línguas, e o seu profundo conhecimento das literaturas e filosofias de várias culturas, Steiner é um dos maiores "comparatistas" do mundo."

Obras já publicadas pela Gradiva aqui.